A construção do texto de não ficção literária

Para que um texto de não ficção se torne consistente, o conteúdo e a forma devem estar profundamente imbricados. Nesta oficina, analisaremos todo o processo de criação textual, desde o trabalho de campo até o momento da escrita, para refletir sobre como é possível traduzir a realidade complexa em um texto com consistência, visão e estilo próprios.

Diretrizes gerais: O que é não ficção e jornalismo literário. Os três momentos da produção de um texto de jornalismo literário: reportagem, seleção da informação, escrita. Como olhar e o que olhar durante a reportagem; como distinguir o fundamental do acessório no processo de seleção da informação; como conseguir que a forma e o conteúdo de um texto se unam de maneira eficaz, sem que a forma seja apenas adorno e o conteúdo esteja disposto de maneira pouco interessante.

Requisitos: Antes das aulas, os participantes deverão ler o livro Uma história simples (Bertrand Brasil, 2015), de Leila Guerriero (o livro será enviado aos inscritos por Sedex para o endereço preenchido no formulário de inscrição), e outros textos que serão enviados previamente.

Duração: Dois encontros de quatro horas cada.

Metodologia: Por meio da análise de textos, a oficina será uma aproximação teórica da não ficção literária, de seus limites e suas possibilidades. Leremos e analisaremos textos de jornalismo literário, com forte ênfase na discussão de conceitos relacionados ao ofício (análise do olhar durante a reportagem – o que ver e como ver; pertinência do uso dos recursos; aplicação das estruturas narrativas; apresentação de personagens; cronologia, clima, tom e atmosfera; citação de fontes, veracidade e verossimilhança dos acontecimentos).

Esta oficina é uma atividade paralela do curso de pós-graduação Formação de Escritores.

Atividades em espanhol, sem tradução simultânea

 

Leila Guerriero

Nascida em Junín, província de Buenos Aires, Argentina, em 1967, começou sua carreira jornalística em 1991, na revista Página/30. Desde então, seus textos apareceram em diversos veículos latino-americanos e europeus, como La Nación, Rolling Stone, El País, Vanity Fair, Granta, Lettre Internationale, L´Internazionale, dentre outros. Em 2005, publicou o livro Los suicidas del fin del mundo (Tusquets), traduzido para o português, italiano e polonês. Em 2009, publicou Frutos extraños (Alfaguara), uma antologia de crônicas. Em 2013, publicou Plano americano, uma antologia de perfis, e Una historia sencilla, pela Anagrama da Espanha (traduzido para o italiano, português, francês e inglês). Em 2014, publicou o livro Zona de obras, série de textos sobre a escrita e o jornalismo, além de ter publicado outros títulos de antologia como autora e como organizadora. É editora para a América Latina da revista Gatopardo e dirige a coleção Mirada Crónica, do selo editorial Tusquets, da Argentina. É professora da Fundación Gabriel García Márquez para el Nuevo Periodismo Iberoamericano, fundada por Gabriel García Márquez e, desde 2016, dirige a Especialización en Periodismo da Fundación Tomás Eloy Martínez, de Buenos Aires. É uma das convidadas da edição 2017 da FLIP.