Reflexões sobre a leitura como espaço de resistência

Capturar

“Se a leitura é espaço de resistência, é, portanto, lugar de encontro democrático, necessariamente polifônico e dialógico. Roteiros predeterminados, questões fechadas e respostas prontas dão lugar a rotas que preveem desvios e atalhos, questionamentos abertos como ponto de partida e múltiplas chaves de leitura que considerem, sobretudo, a surpresa como (provisório) ponto de chegada – aquele que se abre para novos percursos.” Confira a íntegra do artigo de Cristiane Tavares, coordenadora do curso de pós-graduação Livros, Crianças e Jovens: Teoria, Mediação e Crítica, do Instituto Vera Cruz, publicado no blog da Companhia das Letrinhas. No texto, Cristiane fala também sobre o livro A resistência, de Julián Fuks, professor do curso de pós-graduação Formação de Escritores. Publicado pela Companhia das Letras, a obra foi vencedora dos prêmios Jabuti e Oceanos em 2016 e conta a história de uma família às voltas da ditadura e durante o período de exílio na Argentina a partir do Golpe de 1976.

 

Vale lembrar que o curso está com vagas remanescentes para as turmas de 2017 e dispõe de condições especiais para profissionais da rede pública, com desconto de 25% no valor da mensalidade. Acesse www.veracruz.edu.br/instituto.