Por que os negros têm que sofrer assim?

♦ Felipe Neves Meirelles de Souza Pinto

Olá caro leitor, eu sou um homem negro e moro nos Estados Unidos. Agora, durante a década de 50, a vida não está fácil para nós com esta coloração. A prova disto foi que, um dia, estava tudo ocorrendo normalmente. Eu fui para o meu trabalho como lixeiro e trabalhei um pouco além do meu turno pois precisava de um dinheiro extra.

Fiquei muito cansado por causa da hora extra. Então, para descansar, decidi chegar em casa e ficar com a minha esposa no conforto de minha cama.

A noite se passou. No dia seguinte, minha esposa me acordou mais cedo do que o normal dizendo que estava com medo. Queria que eu fosse ver o que estava acontecendo.

Preocupado, desci para o andar térreo de minha casa e logo saí. Até então, nada demais, todavia, logo depois olhei para baixo para retornar e vi algo escrito em minha frente. Me virei para ver a oração do lado certo, me senti profundamente abalado. O que você faria se fosse negro e algum homem branco escrevesse em sua casa: “pretos!”?

Isso claramente mostra como não somos bem-vindos na região. Quando escreveram isso, me indignei do modo que nos vêem como deferentes ou inferiores, que precisam ter suas casas identificadas.

Sem muito o que fazer, entrei em minha casa e sentei na poltrona. Pensei profundamente até que a tarde chegou, hora do carteiro depositar algumas cartas. Logo mais fui ler, já que trabalhava em período noturno.

A primeira carta em que abri foi da Universidade de Chicago, onde meu filho havia se candidato. Estava muito ansioso, pois isto realizaria o futuro do garoto. Logo subi correndo para seu quarto para que visse seu resultado em primeira mão. Ele também ficou muito feliz, até a hora em que viu os resultados. Bem, ele não passou na faculdade, mas não o culpo por isso! A culpa está realmente no governo, que privilegia os brancos. Meu filho estudou em um colégio só para negros, porque não podia ingressar em um onde os brancos frequentavam. O problema é que a qualidade do ensino é bem diferente.  No futuro, seria desfavorecido na entrada para a faculdade.

Passaram-se alguns anos e eu continuo defendendo um projeto que privilegie os negros na entrada a faculdade, como cotas raciais. Elas ajudariam neste aspecto e também na dívida histórica que os brancos nos devem, todavia também haveriam problemas neste projeto.

Em primeiro lugar, dar privilégio para que alguém possa estar em determinado lugar com base na cor de sua pele se consiste no pior tipo de racismo que existe. Depois, ao impor uma cota racial, o Estado está retirando a meritocracia com uma imposição ignorante de que determinadas vagas devem ser destinadas a negros a despeito do mérito de outros.

Um país justo não é um país que tem igualdade absoluta entre brancos, pardos, amarelos e negros; mas um país onde qualquer um, não importando a cor ou a origem, possa perseguir seus sonhos através do fruto de seu trabalho. Numa sociedade justa, negros, brancos e amarelos têm as mesmas chances de vencer na vida e a cor da pele dos outros nunca é um obstáculo para o seu crescimento.

Oitavo Ano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *