NEMO CONTINUA A NADAR COM “PROCURANDO DORY”

♦ João Marques Magalhães e Letícia Garcia Cohn

Após 13 anos de espera, a sequência do clássico “Procurando Nemo”, lançado no dia 30 de junho de 2016, continua a nadar com grande velocidade nas bilheterias, arrecadando cerca de 50,1 milhões de dólares em seus dois primeiros meses. A produção atingiu às expectativas, porém, não foi impossível superar o sucesso de seu antecessor. Apesar da explosão do longa metragem, aposto que Dory já esqueceu de seu triunfo.

Com uma trilha sonora bem variada, Thomas Newman manteve as tradicionais músicas de “Procurando Nemo”. Com grande histórico, Thomas já foi indicado onze vezes ao “Oscar”, ganhou dois “Grammy Awards”, e já produziu trilhas para filmes como: “007 Contra Spectre” e “Um sonho de liberdade”. A direção de Andrew Stanton, com o auxílio de Angus Mac Lane, foi impecável. Haja vista que vários dos filmes infantis produzidos pela Pixar Animation Studios foram dirigidos por Andrew, entre eles “Carros”, “Os Incríveis” “Vida de Inseto”, “WALL-E”, “Toy Story” entre outros. Um nome que merece ser destacado é o de Ellen DeGeneres, atriz e apresentadora americana que dá a voz à protagonista do filme e também dublou a personagem em “Procurando Nemo”.  Inclusive  conquistou o “Annie Award” por dubla-la em 2004 e agora, em 2016, ganhou o “ Teen Choice Award: melhor atriz do verão 2016” com ‘Procurando Dory”. É curioso como Ellen consegue manter a voz da personagem mesmo após tantos anos.

A história se inicia exatamente um ano após Marlin sair em busca de seu filho Nemo. Dory já faz parte desta pequena família, porém, sua perda de memória ainda a persegue. No entanto algo mudou: Flash Backs de sua vida antiga começam a aparecer e a perturbam com lembranças de seus pais. O  enredo se desenvolve quando ela decide ir atrás deles antes que se esqueça novamente. Ao longo de sua jornada, Dory reencontra antigos amigos que a ajudam na busca por seus pais. No decorrer da trama a personagem enfrenta diversos impasses.

Nos filmes, “E viveram felizes para sempre”, uma estratégia muito utilizada é inserir piadas e reflexões mais maduras para o público adulto, afinal, são eles que levam as crianças ao cinema. No caso deste filme, temas como a amizade, a família e o sexo são abordados em diversas cenas com esse propósito. Entre elas, destaca-se aquela em que Dory se torna auxiliar na escola do Professor Raia. Sem perceber, tem uma pequena queda de memória e, ao retornar ao assunto se confunde e começa a explicar sobre sexo às crianças. Antes que “algo” seja exposto, é interrompida pelo professor que considera esse assunto inadequado.

 Vários trocadilhos e expressões do primeiro filme, como a súbita perda de memória da protagonista, são esclarecidos em “Procurando Dory”. Podemos dizer que esse é um dos motivos pelo qual o filme se torna tão intrigante e engraçado. Os efeitos visuais, as cores e o design, são outro ponto positivo da animação, superando assim, o seu antecessor que ao ser produzido não possuía essa tecnologia. Porém, o que mais chama a atenção é a construção dos carismáticos personagens secundários. Em contrapartida, a falta de originalidade deixou a desejar quando comparado a trama, devo dizer, extremamente similar, do filme anterior. Entretanto, há a possibilidade de que o roteirista tenha utilizado desta estratégia para trazer maior apelo nostálgico. Conquanto, acredito que o roteirista poderia ter encontrado uma melhor forma de atingir este objetivo.

Oitavo Ano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *