A Convivência Ética na Escola

Considerando que o desenvolvimento da autonomia moral é uma meta importante para a educação e que a escola constitui local propício para o desenvolvimento das diversas relações de colaboração e cooperação, pretende-se, neste curso, estudar esta dimensão das relações educativas, tão necessária para a realização de um trabalho construtivo na escola, para a melhoria das interações sociais e para um maior favorecimento do desenvolvimento sócio afetivo das crianças e adolescentes. Assim como, compreender a organização de um Plano de Convivência em níveis institucionais. De acordo com essa perspectiva, além da vivência, é preciso oferecer nas escolas um espaço sistematizado em que a moralidade se torne objeto de apropriação racional, com professores formados para desenvolver propostas que favoreçam a construção dos valores morais e a qualidade da convivência escolar.

É isso que pretende esse curso, formar os pós-graduandos para que se sintam aptos para atuarem na construção de um clima escolar mais positivo, visando a redução da violência e a melhoria da qualidade convivência escolar.

Processo seletivo 2018

Opções de data da prova:

. Sábado, 21 de outubro, das 9h00 às 12h00

. Sábado, 25 de novembro, das 9h00 às 12h00

. Sábado, 9 de dezembro, das 9h00 às 12h00

Valor da inscrição: R$ 120,00

Perguntas frequentes

. Como faço a inscrição para o processo seletivo dos cursos de pós-graduação?
As inscrições são realizadas exclusivamente pelo site www.veracruz.edu.br/instituto.

. Até quando posso me inscrever no processo seletivo?
As inscrições podem ser realizadas até 19/10/2017, para a opção de prova no dia 21/10/2017; até 23/11/2017, para a opção de prova no dia 25/11/2017; e até 07/12/2017, para a opção de prova no dia 09/12/2017.

. Qual o local de prova?
Todas as provas serão realizadas no Instituto Vera Cruz (Rua Baumann, 73, no bairro Vila Leopoldina, em São Paulo). Está localizado próximo à estação Imperatriz Leopoldina, da CPTM.

. Há estacionamento no local?
Não há estacionamento, mas há vagas na rua e estamos perto da estação Imperatriz Leopoldina da CPTM.

. Qual o melhor horário para eu chegar ao local da prova?
O candidato deverá estar no local de realização das provas com antecedência de meia hora.

. Que tipo de material posso levar para fazer a prova?
Somente uma caneta esferográfica azul ou preta, lápis e borracha.

. O que não é permitido levar ou usar no local de prova?
Não será permitido ao candidato, no local de realização de provas e durante a aplicação destas, portar aparelhos eletrônicos (telefone celular, relógio, agenda eletrônica, notebook, receptor, gravador, calculadora) que possibilitem comunicação ou consulta. O descumprimento dessa determinação implicará advertência ou eliminação do candidato. O Instituto Vera Cruz não se responsabilizará pela guarda e manutenção de qualquer aparelho ou equipamento pertencente ao candidato.

. Caso tenha sido roubado ou perdido o meu documento de identidade e/ou comprovante de inscrição, como devo proceder?
Você poderá apresentar qualquer documento original com foto. Se não tiver, faça um boletim de ocorrência (B.O.) e providencie uma segunda via do documento de identidade.

. Caso eu não consiga comparecer no dia da prova, como devo proceder?
Entre em contato com a Secretaria de Atendimento do Instituto, pelo telefone (11) 3838-5992 ou pelo email instituto@veracruz.edu.br.

. Poderei entrar com recurso contra o resultado da prova?
Não. O processo seletivo dos cursos de pós-graduação tem formato e características próprias para cada curso. Assim, não serão aceitos recursos após a divulgação do resultado do processo seletivo.

. Sou portador de necessidades especiais, necessito de espaço apropriado no dia da prova. Como proceder?
O candidato portador de deficiência, com comprovada necessidade de atendimento especial, de acordo com a lei n. 7.853, de 24/10/1989 e o art. 27, incisos i e ii do decreto 3.298, de 20/12/1999, poderá solicitar com 10 (dez) dias de antecedência, condição especial para a realização das provas, mediante preenchimento de requerimento para atendimento diferenciado, disponível na Secretaria Acadêmica do Instituto Vera Cruz. O candidato portador de deficiência, solicitante de tratamento diferenciado, deverá anexar ao formulário de requerimento um laudo médico, com indicação do tipo de deficiência do qual é portador e com especificação de suas necessidades quanto ao atendimento personalizado. No requerimento, deverá constar o nome do médico que forneceu o atestado, telefone para contato e o CRM do profissional.

. Existe um número mínimo de inscritos para abrir turma?
Sim, 30 alunos.

. E se não se alcançar esse número mínimo para abrir turma e eu já tiver me matriculado?
Nesse caso, o candidato poderá requerer a restituição do valor integral pago no ato da matrícula.

. Posso cancelar a matrícula depois de paga?
A desistência da matrícula deverá ser formalizada por meio de requerimento próprio da IES, até 2 dias antes do início das aulas, e será restituído 70% do valor pago na matrícula.

. Se eu não for aprovado, posso fazer a prova novamente em outra data?
Não. Você deverá candidatar-se para próximos processos seletivos no Instituto Vera Cruz.

. Posso fazer a inscrição para um curso de pós-graduação e depois mudar de curso?
Excepcionalmente no caso de não se formar turma no curso escolhido, o candidato poderá optar por outro curso, desde que haja vagas disponíveis e que o resultado da sua prova seja satisfatório para cursar a outra pós-graduação de interesse, decisão tomada pela Coordenação da Comissão do Processo Seletivo.

Disciplinas

Módulo I – Fundamentos I: pressupostos teóricos que subsidiam a prática educativa

Estudos sobre o desenvolvimento e a necessidade de uma fundamentação teórica que sustente a práxis educativa do professor-especialista em Convivência Ética.

Desenvolvimento cognitivo

Estudos de como se dá o desenvolvimento cognitivo do ser humano segundo a epistemologia genética de Jean Piaget e reflexões sobre como esse processo se articula com o desenvolvimento moral. Assim como, os diferentes modelos pedagógicos e suas consequências para o desenvolvimento do ser humano e, como o processo cognitivo, se articula com o desenvolvimento moral.

Metodologia do trabalho científico I e avaliação responsiva

A compreensão do delineamento à metodologia da pesquisa, introdução conceitual e o uso de normas ABNT em trabalhos científicos.

A Avaliação Responsiva e aprendizagem colaborativa em rede com a introdução ao tema e aporte para o uso do suporte EAD, a partir da criação de rubricas e evidências como forma de compartilhar boas práticas.

Desenvolvimento moral

Os fundamentos da teoria construtivista piagetiana sobre o desenvolvimento da moralidade infantil e as características da criança e do adolescente. O estudo das tendências morais e o processo de desenvolvimento: as relações de respeito unilateral e mútuo; a evolução da noção de justiça e de regras; Kohlberg e os estágios do desenvolvimento moral, a moralidade, a cognição e a afetividade; a construção da personalidade ética; Autorregulação: vergonha e culpa; as dimensões da instituição educativa e trabalho com o desenvolvimento moral. A importância de um trabalho pedagógico que favoreça o desenvolvimento da autonomia nas diversas dimensões da instituição educativa.

Comunicação construtiva

Estudo sobre a influência de uma linguagem construtiva na relação professor – aluno e escola – família. A compreensão que a linguagem utilizada na relação com o sujeito influencia na construção de uma estima de si positiva. Reflexão sobre os tipos de mensagem que geralmente se estabelecem nas relações interpessoais; as técnicas da linguagem descritiva (mensagem-eu e escuta ativa). O reconhecimento da importância do elogio descritivo e as consequências do elogio valorativo. A assertividade em uma comunicação construtiva: como escutar e falar.

Desenvolvimento afetivo

Estudo sobre os aspectos que compõem a natureza afetiva do psiquismo humano em sua gênese e consequentemente, que participam da construção da identidade à luz da teoria piagetiana e das teorias que se afinam para a compreensão da dimensão afetiva da moral e a distinguem como “ética”. As relações entre inteligência e afetividade; os estágios do desenvolvimento afetivo; os sentimentos que participam da construção da personalidade ética e o trabalho com afetividade na escola.

Ambiente cooperativo

Estudo sobre as características de um ambiente sociomoral cooperativo, os procedimentos pedagógicos que o compõem e a influência deste tipo de ambiente para o desenvolvimento da autonomia moral do sujeito. As experiências bem-sucedidas e as tecnologias; o trabalho com a pedagogia de projetos (Portfólio). O gerenciamento de sala de aula e as relações interpessoais; a autoridade do professor. A compreensão da importância das experiências vivenciadas em tal ambiente para a formação sociomoral do sujeito.

Módulo II – Fundamentos II: o problema de convivência na escola

Aborda as relações interpessoais, as normas e os problemas enfrentados na escola pertinentes à convivência ética e as práticas morais, de forma a possibilitar reflexões e ações condizentes com as bases científicas anteriormente apresentadas.

Os conflitos interpessoais

Os conflitos interpessoais na escola em uma perspectiva construtivista. Analisa os procedimentos de resolução de conflitos empregados pela escola autocrática e democrática, assim como as consequências na formação sociomoral das crianças e adolescentes. A gênese dos conflitos entre crianças e adolescentes quanto as causas, as estratégias e as finalizações.

Regras na escola

Estudo sobre a necessidade das normas e os procedimentos de legitimação que devem preservar e propiciar ao sujeito o respeito por si próprio e pelo outro. O processo de legitimação e obediência às normas; os princípios norteadores para a formulação de regras; as regras não-negociáveis e as regras combinadas; a necessidade de coerência e da regularidade.

Manifestações perturbadoras

Reflexões sobre as manifestações perturbadoras no ambiente escolar, discutir os conceitos como a indisciplina (ruptura do contrato pedagógico), a incivilidade (provocação e reação ao comportamento perturbador) e transgressão(descumprimento das regras escolares), como manifestações socioafetivas que necessitam de um novo olhar, e consequentemente, uma nova postura, por parte das instituições que educam. Conhecer diferentes pesquisas sobre tais temáticas.

Manifestações violentas

Pesquisas sobre a agressividade, a violência e suas dimensões psicológicas. Diferenciação entre violência e agressividade. Os estudos sobre os sentimentos de vergonha e a humilhação e, as consequências para o desenvolvimento da autonomia moral. O fenômeno “bullying” e as sutilezas desse tipo de violência na escola.

Mediação de conflitos

A mediação dos conflitos interpessoais na escola em uma perspectiva construtivista Estudo sobre Os níveis de entendimento interpessoal de Robert Selman. As sanções expiatórias e as sanções por reciprocidade. Como se dá o processo de mediação.

Conhecimento histórico-cultural

Discussão sobre o trabalho com os Direitos Humanos, o ECA (Estatuto da criança e do adolescente) e a apropriação racional de valores.

Metodologia do trabalho científico II

Estruturação da avaliação do módulo II (linguagem científica, artigos pesquisa em plataformas)

Práticas morais

Discussão acerca do conceito de práticas morais ampliando-o para a perspectiva de um trabalho de educação moral. Conhecer e reconhecer as diferentes categorias de práticas morais, segundo Puig. Tipos de práticas: Assembleia Escolar; Dilemas Morais; o trabalho com filmes, Autoimagem, teatro e “Role Playing”; Histórias da Literatura; Conflitos Hipotéticos; Jogos para a Expressão dos Sentimentos; Clarificação de Valores; Narrativas Morais; Autobiografia; Entrevistas Pessoais; Sessão de Debates.

Reflexões sobre o uso das novas tecnologias mediando as relações

Reflexões sobre os riscos decorrentes do uso da Internet e as manifestações violentas presentes no ciberespaço. O trabalho com a Educação Digital: estratégias de prevenção. Conteúdos programáticos: Segurança, privacidade, vício em Internet, perda de controle e manipulação do conteúdo online, consequências do mau uso da Internet e das ações no meio virtual, empatia virtual, etc.

Protagonismo infantil e juvenil

Os Sistemas de apoio como melhoria para a convivência ética na escola. Estudo sobre a implantação de: equipes de ajuda, alunos tutores, alunos ajudantes, alunos mediadores, cybertutores. As experiências sobre o protagonismo infantil e juvenil no Brasil e na Espanha.

Meio ambiente, consumo e ética

Estudo das estruturas, dos processos sociais, das conexões e interfaces entre meio ambiente e relações de consumo. Análise dos reflexos da sociedade de consumo sobre o meio ambiente, aprofundando numa reflexão ética que envolve os comportamentos, os valores e as atitudes em relação à natureza, a fim de assegurar-se a proteção à biodiversidade e à qualidade de vida no planeta.

Metodologia do trabalho científico III

Estruturação da avaliação do módulo (organização de um artigo). Eixos norteadores sobre a escrita do TCC.

Módulo III – A construção de um plano de convivência

Gestão cooperativa

Discute a parceria entre a escola e a família, no processo de construção da autonomia intelectual e moral dos alunos.

Análise das relações entre escola e comunidade envolvendo experiências de gestão democrática. Discussão da importância de se criar mecanismos de participação na escola. Apontar algumas experiências inovadoras em gestão democrática.

Plano de convivência

Elaboração com base nos conhecimentos construídos anteriormente, um Plano de Convivência, o diagnóstico da realidade escolar, as intervenções, o processo de avaliação e o Plano Tutorial.

Metodologia do trabalho científico IV

Estruturação e encaminhamentos para elaboração do TCC.

Corpo docente

Profa. Dra. Adriana de Melo Ramos (coordenadora e docente)

Profa. Dra. Ma. Lívia Maria Ferreira da Silva (coordenadora e docente)

Profa. Dra. Adriana Regina Braga (convidada)

Profa. Dra. Ma. Carolina de Aragão Escher Marques

Prof. Dr. Me. Cesar Augusto Amaral Nunes (convidado)

Profa. mestranda Danila Di Pietro Zambianco

Profa. Ma. doutoranda Flávia Maria de Campos Vivaldi (convidada)

Profa. Dra. Luciana Haddad Ferreira

Profa. mestranda Luciana Zobel Lapa

Profa. Dra. Ma. Luciene Regina Paulino Tognetta (convidada)

Profa. Ma. doutoranda Mariana Tavares Almeida (convidada)

Profa. Dra. Ma. Patricia Unger Raphael Bataglia (convidada)

Profa. Dra. Ma. Paula Saretta

Prof. mestrando Rafael Petta

Prof. mestrando Raul Alves

Profa. mestranda Sanderli Aparecida Bicudo Bomfim

Profa. Soraia Campos

Profa. Ma. Taís Pileggi Vinha

Profa. Dra. Telma Pileggi Vinha (convidada)

Profa. Ma. doutoranda Thais Cristina Leite Bozza