Relações de gênero no livro para crianças

Estereótipos ainda marcam certo discurso dominante sobre a infância e aparecem estampados nos livros publicados para crianças em pleno século XXI. É comum, em diferentes espaços destinados à leitura, ouvirmos a pergunta: “Mas o livro é para menino ou menina?” Questões de que natureza estão por trás de dúvidas como esta? Há uma literatura “mais indicada” para cada gênero? Que outras referências podem nortear a escolha de um livro? Convidamos a autora Jarid Arraes e a ilustradora Larissa Ribeiro, além do ilustrador e autor espanhol Bernat Comand, em participação especial, à distância (online), com tradução de Silvana Gili, para discutirem esse importante tema,

Investimento: R$ 90,00 (gratuito para alunos e professores da pós-graduação Livros, Crianças e Jovens: Teoria, Mediação e Crítica)

Evento promovido pela pós-graduação Livros, Crianças e Jovens: Teoria, Mediação e Crítica

 

Sobre os convidados:

Bernat Comand

Filólogo e ilustrador, com mestrado em literatura comparada. Trabalha há vários anos como redator e editor em Barcelona. Atualmente, dirige a revista Faristol, especializada em literatura infantil e juvenil (LIJ). Escreve sobre LIJ e sobre temática LGTBQ+. Integrou o júri do prêmio Vaixell de Vapor (Cruilla-SM) e do prêmio Lazarillo, na categoria Álbum. Publicou álbuns ilustrados, dentre eles, O menino perfeito (Livros da Matriz).

Jarid Arraes

Escritora, cordelista e autora dos livros As lendas de Dandara (Editora de Cultura) e Heroínas Negras Brasileiras (Pólen). Vive em São Paulo, onde criou o Clube da Escrita para Mulheres. Tem mais de 60 títulos publicados em literatura de cordel, incluindo uma coleção de cordéis infantis que tratam de temas como gênero, adoção por casais do mesmo sexo e racismo.

Larissa Ribeiro

Formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) e especialista em ilustração infantojuvenil pela Universidade Autônoma de Barcelona e pela Escola de la Dona (Barcelona). Estudou design gráfico na Universidade de Florença e ilustração, tipografia, publicidade e fotografia na Saint Martin’s College of Art (Londres). É diretora de arte da revista AzMina e sócia do Estúdio Rebimboca, em São Paulo. Ilustrou mais de uma dezena de livros, dentre eles, Quem Manda Aqui – um livro sobre política para crianças (Cia. das Letras) e Você já é feminista! (Pólen).